Live Session Recap

Como a tecnologia pode ajudar na crescente demanda das healtechs?

Título do post: como a tecnologia pode ajudar na crescente demanda no setor da saúde, com Marcelo Barboza, Tatiana Pimenta e Rafael Figueroa

[Tempo de leitura: 8 minutos]

A pandemia de COVID-19 teve um grande impacto no setor de saúde devido ao cenário de urgência no tratamento da população. Isso fez com que muitas healthtechs – empresas que buscam solucionar os problemas do mercado de saúde por meio da tecnologia – promovessem mudanças em seus produtos, processos e equipes em menos de um mês.

Por isso, três startups da nossa comunidade foram convidadas para participar da Google for Startups Live Sessions, Portal Telemedicina, Vittude, e Labi Exames, para contarem como estão agindo e como a tecnologia está auxiliando neste momento. Abaixo, estão os principais pontos discutidos durante a sessão e o link para o vídeo completo segue no fim da página.

Saúde mental

Pensando em como contribuir com a sociedade neste período, a Vittude, que oferece teleatendimentos psicológicos, está buscando colaborar com a saúde mental das pessoas de diferentes formas. Uma delas é o Diário da Quarentena, um site que traz informações mais precisas sobre a COVID-19, dicas para aliviar o estresse e a angústia durante o isolamento, e um manual para ajudar a passar pela quarentena 'sem neura'.

A empresa também está oferecendo sessões de terapia por um valor menor do que o praticado normalmente no mercado: R$ 20,00. "É muito difícil oferecer atendimento gratuito, porque acontece muito mau uso da plataforma, as pessoas não aparecem ou recebemos até trotes", justifica Tatiana Pimenta, cofundadora e CEO da startup.

A executiva viu a busca pelo serviço explodir. "Quando chegou o coronavírus todo mundo se deu conta de que os planos de saúde não estavam preparados para atendimento on-line. Foi necessário tomar alguma ação de imediato para as pessoas que já estão em tratamento continuarem", explica Tatiana.

"O teleatendimento passa a ser a única alternativa e isso vai ajudar muita gente a pensar em novas formas de entregar serviços de saúde. É muito louco pensar que isso só veio por causa de uma situação muito triste, mas isso mostra que telemedicina funciona. Não estou em uma discussão de que 'ahn, mas o presencial é melhor que o on-line'. Estou numa discussão de que o on-line é melhor do que nada", completa.

Colaboração global

A busca por teleatendimento de todos os tipos de especialidade médica, e não só por atendimento psicológico, aumentou muito durante a crise. Rafael Figueroa, cofundador e CEO do Portal Telemedicina, contou que teve que se adaptar para um novo público: o de profissionais que tiveram que fechar seu consultório, mas não podem abandonar as pessoas às quais atendem. "Esses médicos têm a carteira de pacientes deles que não estão podendo ir às consultas. As doenças cardiovasculares e outras doenças sérias não sumiram, nem reduziram, elas continuam e as pessoas estão com um acesso reduzido a algumas unidades de saúde", conta Rafael.

O Portal Telemedicina também investiu em tecnologia para ajudar a comunidade médica a combater o novo coronavírus. A empresa está desenvolvendo um novo processo para análise de exames do pulmão para identificar automaticamente sinais de COVID-19. "O ideal seria o teste sanguíneo e o de imagem. Como a gente não está conseguindo dar esses testes para o Brasil inteiro, pelo menos a gente consegue fazer um protocolo com quase a mesma eficácia. Se eu não tiver o teste que confirma, eu posso pelo menos indicar a gravidade", afirma Rafael.

"Está ocorrendo uma colaboração de dados que nunca vi antes no setor. O mundo inteiro está colaborando. E não só com dados de imagem. Esses modelos de inteligência artificial só são bons se você treiná-los com uma boa base de dados, se não, fica enviesado", explica.

Exames e diagnósticos

A Labi Exames tem um papel fundamental durante a pandemia por já oferecer o exame que comprova o diagnóstico do novo coronavírus. E, consciente da importância disso, lançou uma campanha de exames gratuitos para pessoas com mais de 80 anos, todos realizados com coleta domiciliar, para proteger tanto os pacientes, quanto os funcionários. "Nós já estávamos acompanhando o que estava acontecendo na China, mas a surpresa veio com a velocidade que as coisas aconteceram. Começamos a entender qual era o papel que teríamos. Não só para os testes de COVID-19, mas para as pessoas que precisam continuar fazendo exames", conta Marcelo Barboza, cofundador e CEO da empresa.

Justamente por serem essenciais para o combate à doença, o fluxo de exames é tão grande que os resultados estão demorando para ficar prontos. Por isso, a Labi decidiu comprar testes rápidos da Coreia que identificam anticorpos no sangue ao invés do vírus. Porém, a startup sentiu a necessidade de torná-los mais eficientes. "Quando usamos o sangue da ponta do dedo, vimos que ele dificulta o resultado do teste, pois a sensibilidade é baixa, o que facilita dar falso negativo. Nós estamos usando o soro obtido de uma coleta normal, aplicamos no teste rápido e o resultado é muito melhor. Devemos terminar a validação desse processo em breve", explica Marcelo.

Lições

Enquanto durar a pandemia, muitos profissionais terão que se adaptar. Os três empreendedores concordam que muitas mudanças devem continuar após tudo voltar à "normalidade". E talvez a maior delas seja o tabu do atendimento médico à distância. "Essa situação está derrubando um dos grandes mitos de que várias áreas não conseguem trabalhar remotamente. Acho que isso vai abrir muito a cabeça do mercado", expõe Rafael.

Eles também pontuam que este não deve ser um momento somente de angústias. "Acreditamos que a situação econômica vai piorar muito antes de melhorar. Todo mundo que precisa fazer fundraising, saiba que o cenário vai ser difícil no próximo semestre. Mas este momento de crise é um momento de oportunidade, de jogar na ofensiva, de entender de que forma e quais estratégias você pode usar para sair fortalecido, pois um dia a crise vai acabar", afirma Marcelo.

Confira a live completa abaixo:

Saiba mais sobre o Portal Telemedicina, a Vittude e a Labi Exames

Acompanhe as startups nas redes sociais:

Portal Telemedicina: Facebook, Instagram, Twitter e LinkedIn

Vittude: Facebook, Instagram, Twitter e LinkedIn

Labi Exames: Facebook, Instagram e LinkedIn

Categorias:

Saúde/Medicina América Latina Google Cloud Thought Leadership